5 motivos para ficar de olho no setor elétrico | Phi Investimentos

5 motivos para ficar de olho no setor elétrico

5 motivos para ficar de olho no setor elétrico

Em meio aos riscos políticos e econômicos no Brasil – como a crise energética, o impacto das empresas estatais e da Operação Lava Jato e a incerteza de implementação do plano fiscal – o mercado tem agido de forma cautelosa. Além disso, os juros e o dólar reagem em alta e o PIB, em contrapartida, segue com projeção de baixa de pelo menos 1% até o final deste ano. Diante disso, há um segmento que foi fortemente impactado em 2011 por decisões políticas, e que volta à tona: o de energia elétrica.

“Apesar da preocupante crise hidrológica que ameaça restringir a oferta de energia elétrica ao longo de 2015 e possivelmente em 2016, acreditamos que o setor elétrico reúne elementos que o tornam uma boa opção de investimento neste momento”, reflete a carta trimestral da Quest investimentos, parceira da TORO Investimentos para distribuição de fundos multimercado, de ações, long short e quantitativos.

Quer entender mais sobre o setor elétrico? Confira 5 pontos atrativos do setor de energia elétrica levantados pela Quest:

1. Tarifaço: o início de 2015 foi marcado por uma drástica mudança de postura, por parte do governo, em relação ao setor elétrico. Há um visível esforço em devolver o equilíbrio financeiro ao setor e estima-se que o aumento chegue a 60% nas tarifas de energia elétrica em 2015.

2. Maiores retornos: após uma longa sequência de leilões frustrados, o governo se mostra disposto a oferecer maiores retornos para atrair investimentos ao setor. Prova disso é o aumento do WACC para novos projetos de transmissão, que subiu de 5,5% (em termos reais) para entre 7,6% e 7,8%. Some-se a isso a elevação da TIR implícita nos preços-teto dos leilões de energia nova (hoje entre 15% e 18% em termos reais, contra 8% a 10% até o ano passado). Além disso, o WACC regulatório a ser aplicado no quarto ciclo de revisões tarifárias das distribuidoras fixado em 8,09% (a proposta inicial era de 7,16%).

3. Possível alívio às geradoras: dirigentes da Aneel e do MME estudam um alívio aos geradores hidrelétricos, para compensar os elevados prejuízos devido ao déficit hídrico (GSF). A Quest Investimentos acredita que uma medida de alívio passaria, inevitavelmente, pelo repasse de parte dessas perdas ao consumidor, via mais aumento tarifário.

4. Risco hidrológico começando a ceder: após dois primeiros meses bastante alarmantes, quando a quantidade de água que chegou aos reservatórios das hidrelétricas foi de apenas 47% e 57% das médias históricas, o mês de março trouxe uma melhora substancial: 71% da MLT. Ainda não é um cenário tranquilo, mas a recuperação hidrológica combinada com o arrefecimento da demanda de energia (crescimento interanual de 1,6% em janeiro, – 2,8% em fevereiro e 1,2% em março) afastou do risco de racionamento.

5. Tendência de alta no preço da energia de longo prazo: “Como efeito positivo da atual crise de suprimento, esperamos o retorno da racionalidade econômica na definição dos preços de energia nos leilões organizados pelo governo. Além disso, a provável expansão de capacidade termelétrica (mais cara que hidro), a redução da participação do BNDES no financiamento de projetos, e a menor participação da Eletrobrás nos leilões, devem contribuir para uma alta do preço de energia de longo prazo”, pontua a Quest Investimentos.

Dentre as empresas listadas do setor, a Quest volta a atenção para as do segmento de distribuição, que não é atingido pelas perdas de GSF, uma vez que estas devem continuar penalizando as geradoras ao longo de 2015 e provavelmente também em 2016.

Quer saber quais empresas são as preferidas no radar da Quest? Entre em contato com a equipe da TORO Investimentos e solicite o relatório completo: (41) 3052-7700 ou [email protected]


Escrito por Larissa Moutinho, jornalista MTB 6805-PR, assessora responsável pela comunicação da TORO Investimentos. Foi editora da Revista ADVFN e jornalista da InvestMais. Pós-graduada em marketing e pós-graduanda em finanças.

Related posts

InvestSim: 1º Simpósio de investimentos debate as principais oportunidades em investimentos no Brasil

Realizado nesta segunda-feira, 03, pela PHI Investimentos em parceria da Guide Investimentos, o  I° Simpósio de Investimentos do Paraná – INVESTSIM reuniu em um único dia, 500 participantes e 15 palestrantes de destaque no mercado financeiro nacional que juntos são responsáveis pela gestão de mais de R$100 bilhões. O...

Read More

Qual é o valor mínimo para investir?

Um dos maiores mitos sobre investimentos é a ideia de que é necessário ter uma grande quantia de dinheiro sobrando para começar a investir. Porém, é possível sair da poupança e aprofundar-se no mundo dos investimentos com muito pouco. Uma das principais dúvidas de investidores iniciantes é quanto ao valor...

Read More

Give a Reply