Frente a oscilação do dólar e do euro, seria o ouro uma boa opção de investimento? | Phi Investimentos

Frente a oscilação do dólar e do euro, seria o ouro uma boa opção de investimento?

Frente a oscilação do dólar e do euro, seria o ouro uma boa opção de investimento?

TOROInvestimentos_Seria o ouro uma boa opção de investimento

Nesta coluna da PHI Investimentos, no programa Transmania da rádio Transamérica Foz, Mehanna Mehanna, sócio-diretor da PHI Investimentos, abordou a questão cambial e comentou sobre a oscilação do dólar e euro neste primeiro semestre, além de abordar o investimento em ouro.

Convidado por Mehanna, Nicolas Berhorst, economista e diretor da área de cambio da Câmbio Curitiba, também participou desse programa para agregar mais informações a respeito do mercado de câmbio no Brasil.

A dúvida da semana foi da ouvinte Francielle, que perguntou:

Dólar e euro oscilaram bastante nas últimas semanas. Existe alguma moeda alternativa para investir e fazer uma reserva? O ouro é bom negócio?

Para iniciar o programa, Mehanna e Berhorst trazem informações sobre a recente oscilação do dólar e do euro frente ao real, que levantou a seguinte pergunta: Nesse cenário, existe alguma moeda alternativa pra investir e fazer uma reserva?

Nicolas Berhorst: Franciele, você perguntou se existe alguma moeda para fazer uma reserva de investimento e a minha resposta é: Não. Isso porque as moedas tem características de cotações variáveis e por isso, podem subir ou descer. Agora, se você viaja bastante à Europa ou se tem um perfil de viajar bastante aos Estados Unidos, por exemplo, eu sugiro que aproveite as possibilidades de boas compras do euro e  dólar para cambiar essas moedas. Dessa forma, quando você for viajar, já terá essas moedas em mãos.

Isso dependerá bastante do seu perfil e das suas preferências.  Nas últimas semanas, o euro e o dólar  tem tido um movimento de queda frente ao real, ou seja, o real tem ganhado valor frente a essas moedas. O motivo para essa apreciação do real é basicamente a postura mais realista do Brasil em relação as suas contas nacionais. Isso quer dizer que o país tem apostado nas perspectivas econômicas mais reais, quando comparado aos meses anteriores.

Temos como exemplo a perspectiva para a taxa básica de juros (que no Brasil se chama Selic) e do ajuste fiscal do orçamento público. Para você ter uma ideia, as cotações do euro e do dólar estão no melhor patamar dos últimos 12 meses – e caindo.

Mehanna Mehanna:
Boa colocação, Nícolas. Obrigado pelos comentários. Franciele, para gente finalizar a sua questão, por último você pergunta se o ouro é um bom negócio. Então, para te ajudar a esclarecer, farei alguns breves comentários a respeito do investimento em ouro.

No ano passado, o ouro teve bastante destaque na mídia porque ficou no pódio entre os desempenhos dos investimentos que mais renderam em 2015. Mais precisamente, no 3º lugar, acumulando mais de 32% de alta.

E por que isso aconteceu? Porque a cotação do euro é dolarizada e o dólar teve uma alta expressiva em 2015, sendo o investimento mais rentável do ano. Naturalmente, isso teve um grande impacto na valorização do ouro e por isso ele acumulou esse resultado expressivo em 2015. Essa valorização aconteceu muito mais em função da valorização do próprio dólar, do que da valorização do ouro em si.

Já em 2016, com a queda do dólar, o ouro está acumulando uma rentabilidade até hoje de 1% no ano. Então, está perdendo para maior parte das aplicações, como as de renda fixa, bolsa de valores, entre vários outros ativos que tiveram um desempenho bem melhor do que o ouro neste mesmo período.

Sobre a tradição do investimento

Falando um pouquinho mais do ouro, ele é um dos investimentos mais tradicionais e com maior histórico registrado, datando de mais de 5 mil anos atrás. E é justamente por esse longo histórico que esse tipo de investimento remete muito a segurança em períodos de turbulência. Então, qualquer problema que a gente tenha entre países – ou em grandes economias, como a crise de 2008 – ou mesmo agora, com a saída da Inglaterra da União Europeia, acaba aumentando a demanda do ouro quando tivermos alguns fatos que geram turbulência na economia global.

O ouro também é considerado uma commoditie, ou seja, tem um padrão de negociação. O ouro tem uma cotação internacional, uma característica para identificar esse padrão, que hoje é na base do ouro 24 quilates, considerado o mais puro e portanto, o mais valioso.

Porque o ouro também ganhou esta popularidade mundo afora?

Primeiro, porque ele tem uma aplicação física, então é muito utilizado na indústria tecnológica, na indústria de celulares, TV’s e demais produções de meios eletrônicos, devido a sua boa condutividade. Também tem uma aplicação na área de saúde, para tratamentos dentários e artrose, em função da sua resistência a oxidação e corrosão. O ouro também é utilizado em cosméticos e joias. Inclusive, na área de saúde, na Universidade Federal do Paraná, aqui em Curitiba, há uma linha de pesquisa com base em nanotecnologia que busca a cura do câncer de pele utilizando o ouro.

Além dessas aplicações, o ouro acabou atua como uma reserva de valor por ser um bem finito, raro e indestrutível, então, passou a ser aceito internacionalmente e isso aumentou seu valor diretamente.

O que também é importante salientar para quem tem interesse em investir em ouro: Quais são as formas de negociação que você tem pro metal?

É possível comprar a barra de metal físico (que no Brasil existe apenas o Banco do Brasil). Pode-se fazer a custódia dessas barras (o que demandará um custo para manutenção). Outra forma é comprar ouro por meio de joias, tomando-se sempre cuidado em relação a procedência. Atenção porque nesse caso também haverá valor embutido no design da joia e o investidor acabará pagando por isso.

Mas a melhor maneira de se investir em ouro de forma segura e com mais liquidez (e com um preço mais justo) é comprar contratos de ouro na bolsa de valores, que são negociados de forma eletrônica na BM&F, com lastro em ouro físico.

E quais as vantagens de se comprar ouro dessa maneira?

Antes de tudo, há uma grande liquidez para comprar e vender a hora que quiser. Em 2º lugar, há a segurança de investimento. Esse ouro estará custodiado e terá um menor custo de manutenção. Há garantia na procedência porque ele é negociado como commoditie e com isso, há uma certeza da quilatagem do ouro nessa compra e também uma transparência maior do preço praticado junto ao mercado internacional.

Esse contrato é nominal e intransferível e conta também com um incentivo fiscal onde é possível conseguir a isenção de imposto de renda para negociações abaixo de R$ 20 mil/mês.

Concluindo sua pergunta Franciele, sim, historicamente o ouro é um bom investimento pois ele remete à segurança, ao conservadorismo e oferece proteção frente a turbulências internacionais, mas na minha visão, o ouro é melhor indicado para investidores que já tem uma boa carteira de investimento. Por exemplo, investidores que possuem ativos de renda fixa bem aplicados porque atualmente com os elevados juros praticados no Brasil, faz mais sentido você estar na renda fixa do que investindo em ouro.

Por isso, o ouro é para quem já tem uma boa carteira de investimentos e procura uma diversificação de forma conservadora, que funciona como uma proteção frente a altas do dólar e oferece uma visão de longo prazo para o retorno desse investimento.

Confira na íntegra a entrevista neste áudio:

Coluna semanal: tire suas dúvidas sobre investimentos, finanças pessoais, empreendedorismo e outros temas do dia a dia corporativo.

A coluna semanal, como de costume, contou com a apresentação de Guilherme Wojciechowski. Acompanhe a coluna semanal da PHI Investimentos toda sexta-feira, no programa Transmania, das 10h às 12h, na Rádio Transamérica Foz. Se preferir, confira a repercussão semanal aqui no site da PHI Investimentos de cada uma das colunas.

E mais, participe:

  • Para enviar perguntas, encaminhe para: [email protected].
  • Você também pode enviá-las para o Whatsapp da rádio: (45) 8828-2828 ou por meio das fanpages “Transamérica Foz” e “InvestimentosPHI”no Facebook.

Escrito por Larissa Moutinho, jornalista MTB 6805, assessora responsável pela comunicação da PGI Investimentos. Foi editora da Revista ADVFN e jornalista da InvestMais. Pós-graduada em marketing e pós-graduanda em finanças.

Related posts

InvestSim: 1º Simpósio de investimentos debate as principais oportunidades em investimentos no Brasil

Realizado nesta segunda-feira, 03, pela PHI Investimentos em parceria da Guide Investimentos, o  I° Simpósio de Investimentos do Paraná – INVESTSIM reuniu em um único dia, 500 participantes e 15 palestrantes de destaque no mercado financeiro nacional que juntos são responsáveis pela gestão de mais de R$100 bilhões. O...

Read More

Qual é o valor mínimo para investir?

Um dos maiores mitos sobre investimentos é a ideia de que é necessário ter uma grande quantia de dinheiro sobrando para começar a investir. Porém, é possível sair da poupança e aprofundar-se no mundo dos investimentos com muito pouco. Uma das principais dúvidas de investidores iniciantes é quanto ao valor...

Read More