O metabolismo da economia brasileira | Phi Investimentos

O metabolismo da economia brasileira

O metabolismo da economia brasileira

O IBC-BR variou entre julho e junho 0,41%, contra uma média de projeções de 0,10%. Isso, em conjunto com outros indicadores, aumentou a certeza de que 2018 será um ano de virada econômica

Em sua última coluna, o economista e presidente do Conselho da Foton Brasil, Luiz Carlos Mendonça de Barros, argumenta sobre a recuperação cíclica da economia brasileira. De acordo com o ele, finalmente chegou-se a um consenso de que 2018 será um ano em que a volta do crescimento chegará aos brasileiros de forma sólida (embora desigual).

O economista esclarece que esse cenário mais positivo aumenta o sentimento de bem-estar econômico da sociedade e isso está diretamente ligado a política econômica do país. “O governo Temer, apesar dos gravíssimos problemas políticos que está vivendo, foi fundamental para a construção desta pinguela por ter dado força e liberdade à equipe econômica liderada por Henrique Meirelles. O novo governo a ser eleito em 2018 vai herdar uma situação macroeconômica invejável e que permitirá uma ação de mais longo prazo”, explica Mendonça de Barros.

Os fatores que corroboram para um 2018 de crescimento

As contas externas em situação de grande equilíbrio, com saldos comerciais expressivos e um déficit insignificante, resultam em uma avaliação positiva em relação ao risco país. Entre os outros fatores que reforçam o cenário positivo para o próximo ano, destacam-se:

  • Situação externa favorável: a taxa de câmbio ficará ancorada, o que diminui consideravelmente os riscos de uma desvalorização cambial de maior porte.
  • A inflação: com a permanência de um hiato do produto e redução dos mecanismos de indexação, o período inicial do novo governo será mais tranquilo.
  • O Banco Central: a autoridade monetária terá plenas condições de agir com sucesso, caso qualquer distúrbio maior ocorra.

“O mercado de trabalho estará também bastante favorável, com os níveis ainda altos de desemprego agindo como um inibidor para movimentos de elevação dos salários acima dos índices de produtividade”, enfatiza o economista.

Mendonça de Barros reforça a possibilidade de haver um alívio nas contas públicas, devido ao aumento da arrecadação de impostos. De acordo com ele, o governo espera uma arrecadação de aproximadamente R$ 150 bilhões anuais.

A História é a melhor professora

Luiz Carlos Mendonça de Barros encerra seu argumento reforçando a importância que a agenda de reformas estruturais tem para o futuro econômico do país, já que serão necessárias para transformar a recuperação cíclica atual em um movimento consolidado: “Um novo governo assumir o poder na fase de contração do ciclo econômico, com a crise mais aguda já controlada, é uma marca fundamental para o seu sucesso”, finaliza.

Leia a matéria na íntegra no Valor Econômico: Finalmente o consenso chegou

Related posts

InvestSim: 1º Simpósio de investimentos debate as principais oportunidades em investimentos no Brasil

Realizado nesta segunda-feira, 03, pela PHI Investimentos em parceria da Guide Investimentos, o  I° Simpósio de Investimentos do Paraná – INVESTSIM reuniu em um único dia, 500 participantes e 15 palestrantes de destaque no mercado financeiro nacional que juntos são responsáveis pela gestão de mais de R$100 bilhões. O...

Read More

Qual é o valor mínimo para investir?

Um dos maiores mitos sobre investimentos é a ideia de que é necessário ter uma grande quantia de dinheiro sobrando para começar a investir. Porém, é possível sair da poupança e aprofundar-se no mundo dos investimentos com muito pouco. Uma das principais dúvidas de investidores iniciantes é quanto ao valor...

Read More