Previsão da Economia para 2014: Nublado e com pancadas de Chuva | Phi Investimentos

Previsão da Economia para 2014: Nublado e com pancadas de Chuva

Previsão da Economia para 2014: Nublado e com pancadas de Chuva

Curitiba, 10 Dezembro de 2013

Autor: André Chede, TORO Investimentos

O exercício realizado por economistas e analistas do mercado financeiro para tentar prever os acontecimentos da economia e quais as perspectivas para os investimentos, se assemelha ao trabalho realizado para se prever as condições climáticas para uma região em um momento específico. Assim como na Economia, para a previsão do Tempo se tem à disposição diversos sistemas que indicam qual será a temperatura, pressão atmosférica, e umidade do ar entre uma massa de ar e outra. Desta forma os meteorologistas conseguem prever com certo grau de confiabilidade as condições do tempo em um determinado lugar, observando sempre que quanto menor o prazo maior são as chances de acerto.

O ano de 2014 será marcado por dois grandes eventos: Copa do Mundo de Futebol e Eleições Presidenciais e de Estado. Embora um seja esportivo e outro político, ambos os eventos tem poder suficiente para mudar os rumos da nossa economia e credibilidade internacional, principalmente para os anos subsequentes.

Fatores domésticos como a constatação sobre o fim do modelo econômico pautado em consumo e crescimento real da renda, o baixo crescimento econômico, alta inflação, novo ciclo de alta na taxa de juros, o não cumprimento do superávit primário previsto, entre outros problemas, não animam as perspectivas do mercado para este ano.

No cenário internacional, a redução dos estímulos econômicos nos EUA esperado para o primeiro semestre de 2014, irá enxugar a liquidez global, principalmente em países emergentes como o Brasil, aumentar a relação dólar/real e piorar ainda mais nossas contas externas.

Diante disso, e aliado à derrocada das empresas X de Eike Batista e a insatisfação popular demonstrada durante os manifestos da Copa das Confederações, um clima de desconfiança se instaurou sobre nossa economia, que segundo o professor e ex-ministro Antonio Delfim Netto pode gerar o que cunhou de Tempestade Perfeita em 2014, indicando que poderia ocorrer um desastre econômico dependendo do resultado da confluência de uma porção de acontecimentos negativos.

Nestas condições, o importante para o investidor é ser conservador e ficar atento a ganhos pontuais. Com os Juros Selic voltando a patamares de dois dígitos, os aplicadores devem aproveitar para comprar Renda Fixa indexada ao CDI, principalmente em aplicações isentas de IR, e uma parcela menor em pré-fixados. Os indexados a inflação ainda requerem cautela devido à possibilidade de rebaixamento da nota da dívida brasileira, o que pode trazer perdas para essa classe títulos.

No que se refere à Renda Variável, é preciso continuar bastante seletivo no mercado de ações, pois os problemas na economia não devem ajudar as empresas de setores como: construção civil e consumo. Com o mau humor do investidor estrangeiro sobre o Brasil, é bom também não apostar em empresas ligadas a commodities, principalmente a estatal Petrobrás. As preferências dos analistas devem ficar para o ramo Financeiro, Educacional, e Infraestrutura. O dólar pode igualmente ser uma boa aposta, mas é preciso acertar o timing de entrada, pois a volatilidade continua alta sobre a moeda.

O mercado imobiliário no Brasil varia de fatores específicos de cara região do Brasil, mas de uma maneira geral se acende um alerta devido a forte alta de preços dos últimos anos, e o grande volume de empreendimentos residências e comerciais que estão para ser entregues nos próximos períodos. Para se fazer um bom investimento nesse mercado, é preciso encontrar um imóvel em local que tenha boa demanda e pouca oferta de novos empreendimentos, e pagar um preço por m2 quadrado abaixo do que atualmente se negocia na região.

Questionado recentemente, sobre a perspectiva da economia brasileira, o economista e ex-presidente do BNDES, Luiz Carlos Mendonça de Barros, fez uma analogia ao final da década de 90, no governo Sarney, quando a inflação no país era de 80% ao ano e havia um clima de pânico, por conta disso os donos da cervejaria Brahma decidiram vender a empresa. Nesta época, Jorge Paulo Lemann e seus sócios compraram a empresa por U$ 50 milhões, o que mais de duas décadas depois tornou o conglomerado de bebidas AB InBev avaliado em U$ 360 bilhões.

A previsão da economia para 2014 é nublada e com pancadas de chuvas, e caso os bons ventos não voltem a soprar logo por esta terra, o que podemos ver de fato é realmente uma tempestade perfeita. Em tempos de incerteza, é bom ser conservador, mas essa incerteza também traz oportunidade, e como na história da Brahma, quem souber aproveitar será premiado quando o sol voltar a brilhar.

Sobre o autor:

André Alvarenga Chede, CFP®

Engenheiro de Produção pela PUCPR, pós-graduado em MBA Finanças Empresarias pela UP, habilitado pela ANCORD como Agente Autônomo de Investimento, aprovado no PQO da BM&FBovespa, autorizado pela ANBIMA no CPA-20, corretor de Seguros de Vida e Previdência pela SUSEP, e Planejador Financeiro certificado internacionalmente com o CFP® (Certified Financial Planner) pelo IBCPF. É sócio-fundador da TORO Investimentos e atua como profissional no Mercado Financeiro desde 2008. Professor e palestrante de cursos e palestras sobre Finanças Pessoais, Bolsa de Valores, Tesouro Direto e Fundos Imobiliários.

Related posts

InvestSim: 1º Simpósio de investimentos debate as principais oportunidades em investimentos no Brasil

Realizado nesta segunda-feira, 03, pela PHI Investimentos em parceria da Guide Investimentos, o  I° Simpósio de Investimentos do Paraná – INVESTSIM reuniu em um único dia, 500 participantes e 15 palestrantes de destaque no mercado financeiro nacional que juntos são responsáveis pela gestão de mais de R$100 bilhões. O...

Read More

Qual é o valor mínimo para investir?

Um dos maiores mitos sobre investimentos é a ideia de que é necessário ter uma grande quantia de dinheiro sobrando para começar a investir. Porém, é possível sair da poupança e aprofundar-se no mundo dos investimentos com muito pouco. Uma das principais dúvidas de investidores iniciantes é quanto ao valor...

Read More

Give a Reply